Dica de Leitura: O Menino do Pijama Listrado

Sempre quis ler este livro, mas nunca comprava. Sempre achava outro que a capa me chamava mais atenção e que eu sabia que seria mais alegre que este {Sim, eu já sabia que era um livro triste}. Porém, um dia estava em Guarulhos, esperando o meu voo e resolvi comprar alguns livros para ler. Na verdade, estava {quer dizer ainda estou, porque não achei} atrás da “Menina de Vinte” da Sophie Kinsella {já declarei meu amor por ela aqui}, como não achei, acabei comprando “O Menino do Pijama Listrado” e “Mamãe Walsh”. Ia começar pelo “Mamãe Walsh”, mas a votação no Instragram {@giulicastro} foi unânime pelo “O Menino do Pijama Listrado”.

Comecei a ler no vôo no domingo a noite e na quarta a noite, eu já tinha terminado o livro. Devorei, literalmente. Ele não é um livro muito grande, mas em todos os intervalos entre trabalho-comer-dormir, eu estava lendo. Aproveitei todos os minutos livres para ler. Depois disso, nem preciso dizer que AMEI o livro e que todos devem ler, né?!

Antes de começar a ler, eu só sabia que o livro era triste e se passava durante a 2a guerra mundial e o holocausto. Apesar de muito triste, eu gosto muito de ler sobre histórias desta época. Depois da época da escola {que eu nem gostava muito de história, era mais ligada em biologia e  química – não atoa, sou farmacêutica}, adoro tudos sobre as guerras mundiais. Sempre quero saber  mais e me interesso por todos os livros a respeito. Quando fui para Amsterdã, não deixei de visitar a Casa de Anne Frank e também li o livro dela.

IMG_7861

Bom, mas voltando ao livro, vamos a sinopse: “Bruno tem nove anos e não sabe nada sobre o Holocausto e a Solução Final contra os judeus.Também não faz idéia de que seu país está em guerra com boa parte da Europa, e muito menos de que sua família está envolvida no conflito. Na verdade, Bruno sabe apenas que foi obrigado a abandonar a espaçosa casa em que vivia em Berlim e mudar-se para uma região desolada, onde ele não tem ninguém para brincar nem nada para fazer. Da janela do quarto, Bruno pode ver uma cerca, e, para além dela, centenas de pessoas de pijama, que sempre o deixam com um frio na barriga. Em uma de suas andanças Bruno conhece Shmuel,um garoto do outro lado da cerca que curiosamente nasceu no mesmo dia que ele. Conforme a amizade dos dois se intensifica, Bruno vai aos poucos tentando elucidar o mistério que ronda as atividades de seu pai. ‘O Menino do Pijama Listrado’ é uma fábula sobre amizade em tempos de guerra, e sobre o que acontece quando a inocência é colocada diante de um monstro terrível e inimaginável. “

Apesar de não ser uma história real, é uma história super tocante. A cada paragrafo, uma emoção. Como sempre acontece, chorei litros e mais litros! Impressionante o que pode acontecer quando duas crianças inocentes, que não te a menor idéia do que acontece e das consequências, pode acontecer. Bruno, o personagem principal, é encantador. Bem diferente de seu pai, Bruno se envolve com as pessoas, tem sentimentos por elas. Bruno é uma criança super curiosa e questionadora. Quer saber de todos os detalhes, principalmente porque precisou sair da sua casa enorme em Berlim, ficar longe ds seus amigos; para ir para um lugar distante, triste, uma casa menor e sem amigos.

A história é bem focada em Bruno e na sua amizade com Shmuel, fala pouco do holocausto. Porém, pouco o suficiente, para nós que não somos inocentes, perceber as atrocidades que eram feitas por lá.

O livro foi super recomendado para mim e eu super recomendo a leitura. Não é uma leitura leve, mas é uma leitura interessante e tocante.

Alguém já leu?

Beijos

Dica de leitura: Fiquei com seu número

Depois de um pequeno hiato aqui no blog devido a correria do dia-dia {quem me segue no instagram ou na nossa fanpage ja percebeu}, mas já estou de volta para começar dezembro {ok, um pouco atrasada} com tudo.

Quem ai ja ta de férias ou está contando os dias para elas?! Euuuu!!! hehehehehe. Os meus dias de hiato do blog me ajudaram a colocar minha leitura em dia. Como viajei bastante, aproveitei para ler os livros que estavam me esperando enquanto passava o tempo nos v6os bem longos. Podem esperar que vamos ter muitas dicas de leitura para as férias.

Para começar, vamos de Sophie Kinsella de novo. Gostei tanto da autora, que quando terminei o “A Lua-de-Mel” no proximo. O escolhido foi “Fiquei com seu número”.

Vou começar pela sinopse:  “A jovem Poppy Wyatt está prestes a se casar com o homem perfeito e não podia estar mais feliz… Até que, numa bela tarde, ela não só perde o anel de noivado (que está na família do noivo há três gerações) como também seu celular. Mas ela acaba encontrando um telefone abandonado no hotel em que está hospedada. Perfeito! Agora os funcionários podem ligar para ela quando encontrarem seu anel. Quem não gosta nada da história é o dono do celular, o executivo Sam Roxton, que não suporta a ideia de haver alguém bisbilhotando suas mensagens e sua vida pessoal. Mas, depois de alguns torpedos, Poppy e Sam acabam ficando cada vez mais próximos e ela percebe que a maior surpresa de sua vida ainda está por vir.

IMG_6020

O livro é narrado em 1a pessoa, pela personagem da Poppy. Poppy é uma personagem divertidíssima, impossível não embarcar em todas as aventuras e trapalhadas com ela. Imagina só se logo depois do seu noivado, você não só, perde o anel de noivado da herança da família do seu noivo, como também perde o celular e a família do seu noivo {no caso, seus sogros} estão chegando para te conhecer ?! E como faz para que, se alguém achar seu anel, te avise?! Como ir no jantar com seus sogros sem o anel de noivado?! Eu ficaria desesperada e nem saberia como contornar a situaçao. Porém, Poppy faz tudo com muito jogo de cintura e muito bom humor.

Além da trama principal, outras acontecem {tão engraçadas e desesperadoras como a principal} e o livro tem uma reviravolta e um final completamente inesperado.

Amei Sophie Kinsella! Quero ler todos os livros dela. Agora estou atrás do Menina de Vinte {ainda não achei nas lojas físicas, vou procurar online} que muita gente me recomendou.

Alguem já leu Fiquei com seu numero? O que achou?

Beijos

 

Dica de Leitura: A Lua de Mel

Amanhã é feriado para muitos, né?! Quem também vai emendar o feriado com a sexta e o final de semana?! Eu vou e estou achando ótimo, já que este semestre, todos os feriados caíram no final de semana, né?! Ja que teremos o feriadão {e quem não vai ter, logo tem o final de semana}, resolvi dar dica de leitura hoje.

Que eu sou apaixonada por Chick-lits não é novidade para ninguém, né?! É só navegar pela tag de Dicas de Leitura aqui no blog que vocês vão comprovar isso. A minha autora favorita é a Marian Keyes e já li todos os livros dela que foram publicados no Brasil. Como, geralmente, só é publicado um livro dela por ano por aqui, acabo ficando meio orfã o resto do ano e procurando outros. Esse ano {sei que foi tarde!} descobri a Sophie Kinsella. Sophie é também autora dos livros da série de Becky Bloom. Ainda não li nenhum deles, mas já estão na minha lista.

O primeiro livro dela que comprei e li foi A Lua de Mel! Me apaixonei de cara! Comecei a ler e não queria mais parar. É uma leitura leve, fácil e flui maravilhosamente. Para começar a falar do livro, vou colocar a sinopse: “Ao se dar conta de que o namorado nunca vai pedir sua mão em casamento, Lottie toma uma decisão. Termina o compromisso com ele e diz o tão sonhado sim a Ben, uma antiga paixão, com quem ela havia prometido se casar se ambos ainda estivessem solteiros aos 30 anos. Os dois então resolvem pular o namoro e ir direto para uma cerimônia simples e seguir para a lua de mel em Ikonos, a ilha grega onde eles se conheceram. Mas Fliss, a irmã mais velha da noiva, acha que Lottie enlouqueceu. Já Lorcan, que trabalha na empresa de Ben, teme que o casamento destrua a carreira do amigo. Fliss e Lorcan então elaboram um plano para sabotar a noite de núpcias do casal e impedir que os noivos cometam o maior erro de suas vidas.”

IMG_6954

Quando comecei a ler, achei que o livro seria só sobre a estoria de Lottie e que ela fosse a personagem principal. No fundo, acho que ela é mesmo. Mas sua irmã Fliss participa tão ativamente, qué também parece uma personagem pricnipal. Lottie é a sonhadora, louca para casar. Fliss, mais realista e está passando por um divórico. As situações com as irmãs, quase todas bem reais, são as mais divertidas. O filho de Fliss, Noah, é um personagem a parte. Impossível naão se envolver quando ele entrava em cena.

Super recomendo o livroo. Foi o primeiro livro da autora que li e já me apaixonei. Acabei este e já comprei o proximo, que logo mais aparecerá por aqui.

E ai, agluém já leu este livro?

Beijos